top of page
Para receber novidades, inscreva-se:

Obrigado pelo contato!

Este é um blog de participação espontânea e colaborativa.

As opiniões aqui emitidas não refletem o pensamento da Editora.

Preciosa

Por Gilson Salomão Pessôa


Pôster do filme Preciosa

Não é novidade que o racismo continua latente nos Estados Unidos, não somente na região sul, mas em todo o país. A eleição de um presidente negro demonstra um avanço nessa questão, embora ainda seja necessária uma forte campanha de conscientização para erradicar este problema.


O pior tipo de discriminação étnica é aquela contra a sua própria raça, porque corrói o orgulho das origens que a constituíram, anulando neste processo a sua própria identidade.


Ambientada em 1987, a narrativa mostra a jornada de Clareece Precious Jones, uma adolescente negra, obesa e grávida de seu pai pela segunda vez. Maltratada constantemente por sua mãe, que consente o estupro incestuoso de seu marido e se beneficia dele solicitando dinheiro da Assistência Social para sua “filha”, ela ocasionalmente se refugia num mundo de fantasias, onde é uma diva adorada por todos.


Resignada com sua própria condição, a moça suporta todos os tipos de abusos verbais, recorrendo à violência em algumas ocasiões. Sentada no fundo da sala, Clareece fugia do mundo para dentro de si mesma.


A mudança deste quadro ocorre quando uma professora preocupada com a sua condição de gestante sugere que ela seja transferida para uma escola alternativa, onde receberá a atenção que merece. Apesar de uma resistência inicial, a menina resolve aceitar a proposta.

Neste novo local a protagonista conhece a amável Srta. Blu Rain, cujo método de ensino permite que ela cultive sua autoestima e perceba a necessidade de tomar uma nova direção em sua vida.


O convívio neste ambiente diferenciado permite que a garota reflita sobre suas potencialidades e prioridades, transformando sua atitude num sentido positivo e recompensador, ao invés de reprimir e aceitar sua dor emocional.


A montagem do cineasta Lee Daniels ilustra com eficiência a rotina da jovem e como ela sobrevive dentro de uma atmosfera hostil, tanto em casa quanto na rua. Seu excesso de peso é reflexo de sua angústia e ansiedade, além de muitas vezes ser forçada por sua progenitora a comer, mesmo quando não tem fome.


Insatisfeita com seu corpo e a cor de sua pele, ela havia se isolado de tudo até perceber que existiam pessoas que realmente se importavam com ela e queriam o seu bem.


Vale destacar o relacionamento da protagonista com sua mãe, que trata sua filha e neta com uma crueldade que na verdade mascara o seu ressentimento, pois na verdade ela vê a moça como uma rival pelo amor de seu marido (ainda que a menina tenha sido molestada por ele).


A persistência impulsionada pelo desejo de amadurecimento emocional proporciona a chance de obtenção de um futuro mais promissor. A esperança atua nesse contexto como instrumento essencial para evolução profissional e desenvolvimento de caráter.



Cena do Filme Preciosa
Imagem: www.guiadoestudante.abril.com.br




 

Autoria


Colunista Gilson Salomão Pessôa

Gilson Salomão Pessôa é jornalista formado em Comunicação Social pela Universidade Federal de Juiz de Fora, com Pós Graduação em Globalização, Mídia e Cidadania pela mesma faculdade. Publicou os livros "Histórias de Titãs Quebradiços" e "Um Suspiro Resgatado".


Comentários


Deixe seu comentário

Posts recentes

bottom of page