Para receber novidades, inscreva-se:

Obrigado pelo contato!

Este é um blog de participação espontânea e colaborativa.

As opiniões aqui emitidas não refletem o pensamento da Editora.

Fogão a lenha

Por Paulo Pazz



Definitivamente não tenho boas relações com fogões modernos.

Sequer consegui ligar o danadinho!

Bom mesmo é o velho e saudoso fogão a lenha empretejando a cozinha toda, enchendo o teto de picumã e bafejando fumaça nos olhos da gente.

Bom mesmo é sentar perto do borralho, colocar a lenha com a ponta pra frente e ficar escutando o pau chiando e merejando resina porque não está de todo seco.

Bom mesmo é barrelar o caldeirão de ferro e botar feijão pra cozinhar sobre as línguas esfomeadas das labaredas.

Bom mesmo é sentir o cheiro do café fumegando no bule e do pão de queijo no forno (apesar da fumaça da lenha) e olhar pela janelinha de madeira a chuva caindo de mansinho, criando lodo na parede descascada.

Bom mesmo é sumir para dentro de minha saudade e conversar com minhas lembranças da infância.






Autoria


Paulo Pazz é licenciado em Letras pela UFG-CAC, Professor pelo Estado de Goiás e Membro da ACL - Academia Catalana de Letras. Também é revisor e colunista da Revista Portalvip (com circulação em toda região sudeste de Goiás), integrante da Comissão julgadora das Olimpíadas da Língua Portuguesa desde 2014, ator integrante da Cia Express’arte e instrutor de “Contação de Caus