Para receber novidades, inscreva-se:

Obrigado pelo contato!

Este é um blog de participação espontânea e colaborativa.

As opiniões aqui emitidas não refletem o pensamento da Editora.

Entardecer

Por Paulo Pazz



Ao cair da tarde, ele chega do campo, cansado, arreado no lombo do cavalo. Corpo queimado de sol e de sonhos bons.


Seus olhos são olhos de dever cumprido na lida do gado. Seus olhos são olhos de ver o comprido tamanho do mundo que se descortina por trás das terras que ele cuida e respeita.


Ao longe, o sol continua sua jornada em finitude, despejando sobre as alegorias da terra seu jato dourado, como despedida.


E eu me perco perscrutando seu afazer meio apressado, agora que a noite quase principia a cair. Da varanda, vejo sua sombra espichada por sobre o terreiro de chão batido, seguindo-o, enquanto ele debulha o milho para galinhas. Ao tu-tu-tu-tu que ecoa de sua garganta, as aves se enrodilham em suas pernas e eu fico, ali, ruminando essas imagens barulhentas de bicos catando milho. Logo são centenas de animais gulosos e mal educados, atropelando uns aos outros, quase voando na mão de meu pai.


E ele ri aquela risada desabrida que chega a lhe sacudir os ombros. De vez em quando, um ou outro impropério, quando uma galinha mais afoita do que faminta salta e tenta arrancar a espiga de sua mão. E assim, lá se vão mais ou menos 20 minutos, até que a noite comece a escorregar viscosa e negra nas copas das árvores.


Enfim, papai tira seu chapeuzinho encabanado, sobe, barulhento, os quatro degraus da escada e senta-se indolente ao meu lado.


Jeito encabulado de caboclo, olha-me meio de lado, dá um suspiro lerdo de cansaço e pousa sua mão morena e calosa sobre minha pálida mão urbana. Sinto a pressão de seus dedos viris e meio desprovidos de delicadezas. Aí, então, ele penetra seu olhar castanho bem no fundo de minha alma e eu leio toda a mudez de seu gesto, transbordando em mim seu jeito de amor.


Mais de uma vez ele me falara que o amor, para ser amor, não precisa ser arrotado em palavras, mas nas atitudes... e minha mão sob a sua entendia isso de uma forma tão intensa que chegava me doer por dentro.


De chofre, sem que ele esperasse, praticamente voei para o seus braços e me aninhei, insuspeita, como criança assustada acordando de um pesadelo no meio da madrugada.


Papai, homem acostumado a lidar com as brutezas do campo, atrapalha-se todo e envolve seus braços cansados sobre mim e eu me deixo aconchegar naquele colo esquecido de afetos. Seu coração ribomba em meus ouvidos aconchegados em seu peito; peito que encerra aquele amor inequívoco e incondicional que tem me feito tanta falta.


¨¨¨¨