Para receber novidades, inscreva-se:

Obrigado pelo contato!

Este é um blog de participação espontânea e colaborativa.

As opiniões aqui emitidas não refletem o pensamento da Editora.

Ponte para o outro (lado)

Por Fabiana Esteves



Perdi as contas de quantas vezes Tio Claudio me contou como foi o dia em que eu nasci. Eu amava ouvir aquele relato pra lá de repetido e carregado de afeto e cuidado. Muita gente reclama de ouvir as mesmas histórias, mas eu não! Em silêncio eu dizia: “Conta de novo a história do dia em que eu nasci, conta!” Eu sabia que terminaria em abraço apertado…


A gente passa a vida toda buscando as coisas grandes, as grandes realizações, e depois percebe que só as coisas pequenas podem vestir a capa da magnitude e ocupar todos os espaços que estão vazios. Como aquela singela dedicatória que ele fez pra mim no LP do Plunct Plact Zum, quando eu era criança. A letra de forma muito bem desenhada, alinhada…


Outro dia quando ligamos a nova vitrola do meu pai e minha mãe lembrou deste disco. Quisemos lembrar de procurar para ouvir. Mas quem sabe ouvir seja só uma desculpa para  olhar a capa e dedilhar a lindeza da mensagem escrita a caneta azul?


Meu livro Maiúscula tem um capítulo de poemas que dei de presente. Eu procurei o poema que escrevi para ele. Mas não achei a cópia, são muitos os papéis… Talvez este presente não necessite ser publicado para se eternizar. Por que tudo que construímos como padrinho e afilhada, como tio e sobrinha, como amigo e amiga, estão presentes dentro de mim. O papel é apenas um detalhe. E ele preferia mil vezes falar a escrever.


Depois da sua partida para o eterno, encontrei seu irmão numa comemoração. Como eles são muito parecidos, caí num choro incontrolável. O abraço foi consequência. Eu fechei os olhos para mergulhar fundo naquela saudade. Seu irmão ofereceu o abraço para ser ponte. Eu me derramei:

"Um abraço 

pode ser a ponte

Que te leva 

Para o outro lado (...)

Do outro lado

Não se desligam os aparelhos

Não há comprimidos sem efeito

Não há cortes cirúrgicos

Não há febres dores calafrios

Não há desfibriladores

Cânticos finais ou fogo

Do outro lado 

Há uma ponte (...)

Que me leva longe

Para dentro de um abraço"