Para receber novidades, inscreva-se:

Este é um blog de participação espontânea e colaborativa.

As opiniões aqui emitidas não refletem o pensamento da Editora.

O Vestido

Por Camilo de Lellis Fontanin



Eu estava cá pensando em tudo que eu já ouvi falar sobre o bicho-da-seda. Sim, sobre o bicho-da-seda! Eu sempre ouvi dizer, até nas aulas de Biologia da escola, que várias espécies de lagartas fabricavam os seus casulos e que, "escondidinhas", faziam a suas metamorfoses para se tornarem crisálidas. Mas a Bombyx Mori, nome científico da lagarta que tece o casulo de seda, tem um processo bem diferente. Nas fazendas em que há criação e reprodução do bicho-da-seda, estão presentes as plantações de amoreiras e também vários barracões com estruturas para abrigar a criação das lagartas e a produção dos casulos.


Esse tipo de lagarta, logo que nasce, começa a comer e, por aproximadamente trinta e cinco dias, precisarão ser alimentadas com folhas de amora que terão que ser colhidas diariamente. Quando estiverem prontas para tecerem os casulos, serão colocadas em vários receptáculos de madeira, cada qual num pequeno espaço, só seu, onde tecerão seus casulos. Cada casulo é feito com, aproximadamente, 1,4km de fio de seda e, depois de prontos, serão levados para as indústrias que os transformarão em carretéis de fios e com eles produzirão os tecidos de seda.


Mas por que eu lembrei de todo esse processo? O motivo, na verdade, acaba me deixando muito triste; não pude dar de presente, para a minha saudosa tia Cinira, um vestido de seda, que ela esperou, até sua partida, aos noventa e seis anos.


Explico: É que quando ela tinha seus doze anos, trabalhou para uma senhora que, em sua fazenda, mantinha a criação e a reprodução do bicho-da-seda. E essa senhora lhe disse, certa vez, que por minha tia ser muito esforçada e inteligente lhe daria um vestido de seda, junto com o salário, assim que a produção fosse vendida e os pagamentos dos funcionários fossem feitos.


No entanto, a produção foi vendida e os funcionários foram todos pagos, inclusive ela, só que o tal vestido não veio. Assim, quando minha tia Cinira contava essa passagem da sua vida, seus olhos brilhavam mais que o normal. E, desde a primeira vez que eu a ouvi contar essa história, eu prometi que lhe daria um vestido de seda antes do final daquele mesmo ano.


Mas aquele ano passou e vieram outros... Até que eu caí enfermo e, por fim, minha querida tia e segunda mãe, Cinira, se foi e eu não pude cumprir a minha promessa.






Autoria




Camilo de Lellis Fontanin nasceu em 1962, na cidade de Americana. São mais de 50 anos de amor aos livros de Poesia, Romance, Conto, Crônica e também aos livros de Psicologia, Psicanálise e Física.

Deixe seu comentário

Posts recentes

Início   |  Coleção Lendas Brasileiras   |   Originais   |  Política de Privacidade   |   Blog   |    Loja    |  Fale Conosco

 

Panóplia Cultural - CNPJ 30.877.808/0001-12

Fanpage: f/EditoraPanoplia | Instagram: @editorapanoplia | E-mail: contato@editorapanoplia.com.br

Telefone: (21) 99367-3411 (WhatsApp)

Rua Wilson Barroso, 47, São Bento, Duque de Caxias / RJ

©2018-2020 by Panóplia Cultural.