Para receber novidades, inscreva-se:

Obrigado pelo contato!

Este é um blog de participação espontânea e colaborativa.

As opiniões aqui emitidas não refletem o pensamento da Editora.

Modigliani

Por Gilson Salomão Pessôa


Um conflito comum a artistas desde o início dos tempos é aquele relacionado a concessões: serão elas necessárias? E se são, por que e quando?


Ambientado na Paris do início do século XX, a seguinte película mostra a trajetória do pintor Amedeo Modigliani, passional, carismático e imprevisível, fazendo um contraponto a Pablo Picasso, racional, vaidoso e já consagrado, desfrutando de seu status enquanto celebridade.


Embora ambos se idolatrem, tem dificuldades de relacionamento e vivem constantemente se insultando, pois o espanhol o enxerga como ameaça e o italiano ressente a notoriedade do mesmo, pois acredita num espírito livre de amarras sociais, mergulhado na irreverência e fanfarronice da boemia.


Além disso, Modigliani ainda precisa enfrentar os pais católicos de sua amada Jeanne, que não o aceitam por ser judeu, divergência intensificada pelo nascimento da filha ilegítima do casal.


Dirigido por Mick Davis, apresenta uma montagem não linear, alternando flashbacks (que mostram a paixão pelo desenho desde criança e a história de seu romance), delírios despertados pelo álcool e pelo ópio (que mostram seus conflitos internos) e cenas do presente.


Picasso não se conforma com a índole autodestrutiva de seu adversário e tenta sempre fazer com que o mesmo mude sua postura, chegando inclusive a apresentá-lo a Renoir, numa seqüência belíssima.


A fotografia merece especial menção por traduzir toda a poética visual em cenas belíssimas, como a dança em contra-luz de Modigliani e Jeanne na rua ao som de “La vie em Rose”, cantada por Edith Piaf.


A projeção é recheada de menções à história da pintura. Além dos amigos do protagonista, que também foram pintores famosos (Utrillo, Kisling) o filme ainda mostra o célebre artista Diego Rivera pintando sua amada Frida Kahlo enrolada na bandeira do México e faz ainda uma menção ao apreço que os pintores da época tinham pela arte oriental, especialmente a japonesa.


“Modigliani” ainda ressalta que o espírito criador precisa manter sempre viva a criança interior, sem responsabilidades e presa em um universo particular.


O artista não precisa e não quer ser normal, apesar de todos os infortúnios que estão constantemente lembrando-o da necessidade de seguir algumas regras sociais para seguir com seu modo de vida de forma mais confortável.


O processo de criação é brilhantemente retratado na seqüência em que os pintores preparam seus quadros para uma competição, realçando o caráter sacro da concepção da obra.


O elenco está brilha