Para receber novidades, inscreva-se:

Este é um blog de participação espontânea e colaborativa.

As opiniões aqui emitidas não refletem o pensamento da Editora.

Amor também se aprende na escola

Por Fabiana Esteves



Já faz alguns anos, eu trabalhava numa escola muito grande. E na soleira da porta o professor chegou e me disse: "Você pode conversar com uma aluna minha? Ela está tão triste…" O orientador assume às vezes esta função de escuta, para a qual eu sempre achei que não tinha a menor vocação, mas ao escritor é parte do ofício, é um caminho incrível para a descoberta do outro.


A menina, linda, negra, devia ter uns dez ou onze anos. Tinha realmente um olhar abatido. Eu perguntei o que havia e ela me contou sua história. Disse que era adotada e que a mãe não a amava.


Fiquei pensando que ela poderia ter descido para conversar em outro dia e se encontrar com outra orientadora que não fosse eu. Mas foi providencial, logo eu que tenho quatro irmãos vindos da adoção. Perguntei a ela por que ela achava que a mãe não a amava. "Ah, tia, ela nunca me abraça, nunca me beija e nunca diz que me ama…" O pai era mais carinhoso, então ela comparava. Difícil. Ficamos em silêncio até que eu lhe perguntei: "Quem lava e passa seu uniforme?" "Quem faz a sua comida?" "Quem penteia seu cabelo?" "Quem te leva para escola?" "Quem arruma seu material escolar?" "Quem cuida de você quando está doente?" É evidente que todas as perguntas tiveram uma única resposta: a mãe. No mesmo momento me veio à mente o poema da Adélia Prado.

"Minha mãe achava estudo

A coisa mais fina do mundo.

Não é.

A coisa mais fina do mundo é o sentimento.

Aquele dia de nós de noite o pai fazendo serão,

ela falou comigo:

"Coitado até essa hora no serviço pesado".

Arrumou pão e café, deixou tacho no fogo com água quente.

Não me falou em amor

Essa palavra de luxo."

Eu não me lembro se recitei o poema para ela, mas a pergunta saiu: "Você acha que isso tudo que ela faz por você não é sinal de amor?" Ela me olhou ressabiada. Segui explicando que as pessoas têm jeitos diferentes de demonstrar amor. E que o jeito da mãe era assim, cuidando. Enquanto eu ia falando o semblante foi mudando. Parei quando encontrei o sorriso que ganhou o rosto dela. Ela foi embora contente que só ela, dava gosto de ver.


Em outros momentos nos encontrávamos nos corredores e ela sempre me dizia com o olhar e o sorriso que estava tudo bem agora. Amar se aprende amando, já dizia Drummond, mas também se aprende na escola.



Na Imagem acima: Na primeira foto, capa do livro "Poesia Reunida", de Adélia Prado. Na segunda foto, a poesia "Ensinamento", do livro "Poesia Reunida", de Adélia Prado. Na terceira foto, Fabiana Esteves e a equipe da escola onde aconteceu o fato narrado no texto.


Autoria



Fabiana Esteves é Pedagoga formada pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNiRIO) e Especialista em Administração Escolar. Trabalhou como professora alfabetizadora na Prefeitura do Rio de Janeiro e no Estado do Rio com Educação de Jovens e Adultos. Trabalhou como assessora pedagógica e formadora nos cursos FAP (Formação em alfabetização Plena) e ALFALETRAR, ambos promovidos pela Secretaria de Educação do mesmo município. Também foi Orientadora de Estudos do Pacto pela Alfabetização na Idade Certa, programa de formação em parceria do município com o MEC. Em 2015 coordenou a Divisão de Leitura da SME de Duque de Caxias (RJ). Atualmente, é Orientadora Pedagógica da Prefeitura de Duque de Caxias, onde tem se dedicado à formação docente. Escritora e poeta, participou de concursos de poesia promovidos pelo SESC (1º lugar em 1995 e 3º lugar em 1999) e teve seus textos publicados em diversas antologias pela Editora Litteris. Escreve para os blogs “Mami em dose dupla” e “Proseteando”. Publicou os livros “In-verso”, "Pó de Saudade", "Maiúscula" e "A Encantadora de Barcos". É mãe das gêmeas Laís e Ísis.

Blog: http://fabianaesteves.blogspot.com

Deixe seu comentário

Posts recentes

Início   |  Coleção Lendas Brasileiras   |   Originais   |  Política de Privacidade   |   Blog   |    Loja    |  Fale Conosco

 

Panóplia Cultural - CNPJ 30.877.808/0001-12

Fanpage: f/EditoraPanoplia | Instagram: @editorapanoplia | E-mail: contato@editorapanoplia.com.br

Telefone: (21) 99367-3411 (WhatsApp)

Rua Wilson Barroso, 47, São Bento, Duque de Caxias / RJ

©2018-2020 by Panóplia Cultural.