Para receber novidades, inscreva-se:

Este é um blog de participação espontânea e colaborativa.

As opiniões aqui emitidas não refletem o pensamento da Editora.

A Vida Marinha com Steve Zissou

Por Gilson Salomão Pessôa



O oceano é sempre fascinante, bem como as histórias que o tem como cenário. O filme em questão é mais uma confirmação dessa premissa. Seu protagonista é um célebre biólogo/documentarista passando por uma fase de decadência que organiza uma expedição para matar um misterioso tubarão que devorou seu melhor amigo (e membro da equipe) na costa oeste da África.


A equipe de Zissou é notável por sua diversidade étnica, onde todos são indispensáveis e funcionam como uma engrenagem no processo. É bacana notar como o biólogo trata seus séquitos, sempre criando apelidos carinhosos e fazendo questão que todos participem de sua empreitada, ao contrário de seu “rival”, o capitão Henessey, que trata com distância seus empregados.


Enquanto organiza a viagem acaba conhecendo Ned Plimpton, um homem que pode ser seu filho e termina convidando o mesmo para fazer parte do grupo, despertando ciúmes em Klaus, um antigo parceiro de Steve que o sempre considerou como pai.


Um outro agravante é a chegada de Jane Winslett-Richardson, uma jornalista da revista Oceanographic Explorer (o layout é idêntico ao da National Geographic) que está à bordo para escrever uma matéria sobre o famoso biólogo e que atrai o interesse do recém-chegado, bem como o de Zissou.


Numa clara referência ao famoso pesquisador marinho Jacques-Yves Cousteau (a película é dedicada à ele e sua fundação), que pode ser notada nos gorros vermelhos usados por toda a tripulação do barco Belafonte, as imagens do documentário são intercaladas com as cenas cotidianas na embarcação, o que é um exercício interessante de estilo.


Dirigido por Wes Anderson, a projeção é interessante por procurar dar um enfoque a todos os tripulantes do barco, ao invés de se concentrar em apenas um deles. Além disso, todas sub-tramas são bem desenvolvidas, enriquecendo a narrativa.


O universo marinho é mostrado de forma idílica, onde aparecem fantásticas criaturas marinhas criadas a partir da imaginação do cineasta, tais como o lindo cavalo-marinho crayon. Além da fotografia exemplar, a trilha sonora é excelente, com Seu Jorge cantando músicas do David Bowie em português (sei que o conceito é estranho, mas o resultado é ótimo).


Muitas vezes ficamos pensando tanto nas metas que acabamos não prestando atenção no caminho percorrido. O final acabará surpreendendo de qualquer forma. Zissou está sempre pensando em se aposentar porque acredita que está muito velho e seus dias estão terminando, mas depois percebe que não pode simplesmente fechar seu espírito e esperar a morte.


O elenco dispensa comentários. Todos estão perfeitos. Destaque para mais uma excelente performance de Bill Murray, que constrói um Zissou deprimido mas profundamente apaixonado pelo seu trabalho e Willem Dafoe, que interpreta Klaus como alguém cuja fidelidade à Steve é inquestionável, mesmo quando suas idéias soam egoístas e suicidas.


Uma película formidável que traz a mesma mensagem do romance Moby Dick, de Hermam Mellville: o oceano é magistral e titânico, sendo o homem ridículo perante ele.





Autoria



Gilson Salomão Pessôa é jornalista formado em Comunicação Social pela Universidade Federal de Juiz de Fora, com Pós Graduação em Globalização, Mídia e Cidadania pela mesma faculdade. Publicou os livros "Histórias de Titãs Quebradiços" e "Um Suspiro Resgatado".



Deixe seu comentário

Posts recentes

Início   |  Coleção Lendas Brasileiras   |   Originais   |  Política de Privacidade   |   Blog   |    Loja    |  Fale Conosco

 

Panóplia Cultural - CNPJ 30.877.808/0001-12

Fanpage: f/EditoraPanoplia | Instagram: @editorapanoplia | E-mail: contato@editorapanoplia.com.br

Telefone: (21) 99367-3411 (WhatsApp)

Rua Wilson Barroso, 47, São Bento, Duque de Caxias / RJ

©2018-2020 by Panóplia Cultural.