Para receber novidades, inscreva-se:

Este é um blog de participação espontânea e colaborativa.

As opiniões aqui emitidas não refletem o pensamento da Editora.

A Estrada

Por Gilson Salomão Pessôa



O teórico iluminista francês Jean Jacques Rousseau tinha a convicção de que o ser humano é naturalmente bom, sendo corrompido pela sociedade. Os princípios de vida em comunidade funcionam como parâmetro para distinguir o certo do errado, estabelecendo assim certo equilíbrio moral entre os cidadãos.


Em determinadas situações o homem termina sendo guiado por seus instintos mais básicos de sobrevivência e toda a sua perspectiva torna-se distorcida, pois a desconfiança na índole de terceiros se transforma em condição essencial para a nossa preservação e daqueles que estimamos.


Adaptada do romance homônimo de Cormac McCarthy, a narrativa desta película acompanha a jornada de um pai com seu filho por um mundo pós-apocalíptico, onde praticamente toda a humanidade foi dizimada por um cataclismo inexplicado que destruiu grande parte da vida sobre a Terra.


Caminhando sempre para o sul num ambiente inóspito, eles enfrentam a fome e o frio enquanto escapam quase desarmados de algumas pessoas que aderiram ao canibalismo em função da falta de alimento. Numa conjuntura onde a angústia e o desespero prevalecem, eles precisam buscam forças para seguir andando até encontrar um local que ofereça comida e segurança.


A montagem do cineasta John Hillcoat alterna momentos do presente com flashbacks que dão informações sobre a mãe do garoto e o que aconteceu com ela. O tom mais claro e colorido das imagens do passado faz uma clara distinção sobre a discrepância dos instantes em que os personagens se encontram.


A ausência de nomes dos protagonistas é uma ilustra a universalidade da sua condição. Suas reações são perfeitamente justificáveis a qualquer um que estivesse naquele contexto.

O menino, mais ingênuo quer ajudar a todos que necessitam, enquanto seu protetor age de forma egoísta para preservar ao máximo seus mantimentos e treinar seu filho sobre a imprevisibilidade da natureza humana.


Enquanto trafegam por locais lúgubres e desérticos eles encontram pessoas de diferentes raças e idades, cada um reagindo de forma diferenciada às mudanças do ambiente, tendo em comum a desconfiança e o instinto de sobrevivência.


Interessante comentar como o pai gradativamente muda sua postura de acordo com as variações que o momento exige, sendo ocasionalmente forçado a recorrer à violência e agressão para manter os seus pertences e proteger o garoto, que fica muitas vezes confuso frente a esses dilemas éticos e pede a confirmação da moralidade de tais atos.


O elenco traz as ótimas performances de Viggo Mortensen, Charlize Theron, Robert Duvall e Guy Pearce entre outros nessa história sobre manter sempre viva a fé e a sanidade da consciência quando a realidade torna-se incrivelmente crua, testando nosso limite emocional e físico.


A urgência de acreditar num futuro possível onde a generosidade de nosso espírito não foi completamente corroída pelo desespero e indiferença no próximo.




Autoria


Gilson Salomão Pessôa é jornalista formado em Comunicação Social pela Universidade Federal de Juiz de Fora, com Pós Graduação em Globalização, Mídia e Cidadania pela mesma faculdade. Publicou os livros "Histórias de Titãs Quebradiços" e "Um Suspiro Resgatado".


Deixe seu comentário

Posts recentes

Início   |  Coleção Lendas Brasileiras   |   Originais   |  Política de Privacidade   |   Blog   |    Loja    |  Fale Conosco

 

Panóplia Cultural - CNPJ 30.877.808/0001-12

Fanpage: f/EditoraPanoplia | Instagram: @editorapanoplia | E-mail: contato@editorapanoplia.com.br

Telefone: (21) 99367-3411 (WhatsApp)

Rua Wilson Barroso, 47, São Bento, Duque de Caxias / RJ

©2018-2020 by Panóplia Cultural.